mostb editora                                                                                                     Revista Digital               mostb editora                                                                                                    
 
  • MOSTB Editora

O que a Boeing tem como estratégia para as comunidades de São José dos Campos?

Toas as ações que são feitas com foco para a preservação do meio ambiente e diminuir a desigualdade social tem nossa total atenção.


A cúpula do COMPASS 2030 fez a sua parte em reunir as autoridades e empresas do mundo todo, quando decidiram as ações que validam a preocupação em deixarmos um planeta e uma sociedade mais digna para as próximas gerações.


Sim, nossas riquezas naturais são limitadas e precisamos que uma consciência coletiva seja vivenciada hoje e agora.


Outro tema que acreditamos ter total relevância são as ações que diminuam as desigualdades sociais. Ainda existem comunidades no Brasil e no mundo que não possuem condições dignas. Faltam: água encanada, energia elétrica, condições de higiene que afastem as doenças. Saúde para todos, ainda não é uma realidade. Moradia e estudo.

Se cada empresa e comunidade trabalharem juntas, poderemos sim, ter um mundo melhor e menos desigual.


Vamos fazer a nossa parte.

Faça a sua!


O texto abaixo é release da Boeing falando sobre os biocombustíveis sustentáveis no Brasil, uma ação consciente voltada para o meio ambiente

Mas pergunta que gostaríamos de ter uma resposta também seria:

- O que a gigante da aviação norte americana Boeing que aterrizou nos últimos meses na cidade de São José dos Campos, tem como estratégia para auxiliar ou mesmo apoiar o desenvolvimento da comunidade local?

A Boeing e os Biocombustíveis Sustentáveis no Brasil.

A Boeing está servindo como catalisadora para o setor brasileiro de biocombustíveis de aviação, incluindo o recrutamento de companhias aéreas brasileiras para o Grupo de Usuários de Combustível Sustentável para Aviação (SAFUG). A Marinha dos EUA e a Boeing estão liderando um processo de aprovação de biocombustíveis para o F-18 Super Hornet, que está previsto para terminar este ano. Em abril de 2010, a Marinha dos EUA realizou um voo de Super Hornet com uma mistura 50/50 de biocombustível (de camelina) e combustível derivado do petróleo.


Em outubro de 2011, a Boeing, a Embraer e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) anunciaram um acordo de colaboração de longo prazo em pesquisa e desenvolvimento de biocombustíveis para aviação, um movimento que representa mais um passo importante na criação, no Brasil, de uma indústria de biocombustíveis sustentáveis para aviação. Como resultado, a Boeing, a Embraer e a FAPESP lançaram, em junho de 2013, um relatório detalhado, descrevendo as oportunidades e desafios de criar, no Brasil, uma indústria de produção e distribuição de combustível de aviação bioderivado, sustentável e economicamente viável.